sábado, 22 de maio de 2010

Trabalho Sujo começa especial sobre o fim de Lost



O Alexandre Matias, do Trabalho Sujo, fez um dos melhores acompanhamentos sobre a série Lost. E, com o final dela neste domingo, ele começou um especial com depoimentos de várias pessoas sobre o programa. O meu foi assim:

Acho que devia ser entre 2005 e 2006, no intervalo entre a primeira e a segunda temporada de Lost. Nos EUA, a série já estava mais que bombada. Por aqui, começava a dar sinais de que não seria só mais uma. Portanto, fomos convocados – eu, Kátia Lessa, Carina Martins e o big boss Lúcio Ribeiro – para elaborar um especial do tipo "enciclopédia", para a Editora Abril.

É até difícil de lembrar, mas naquela época Lost lançava dezenas de perguntas por episódio, além de enfiar um zilhão de "pistas" que poderiam ter alguma relação com a história (com o passar dos anos acabamos descobrindo que a maioria não tinha). Foi um pesadelo definir os verbetes da tal enciclopédia. Como você explica os filósofos Locke, Hume e Carlyle em dez linhas apertadas?

Ao mesmo tempo, que série de televisão é essa que faz você pensar em filósofos? E em livros, de O Senhor das Moscas a Ardil 22, passando por The Shape of Things to Come e Matadouro 5. Era, no mínimo, um programa de televisão que poderia te levar a outras coisas. Poderia, porque esses outros caminhos não eram essenciais para a sua diversão. Dava para ficar ali só curtindo as emoções, tipo "caralho, tem um urso polar na ilha!" ou "meu Deus, existem outras pessoas lá!". Sempre com um ponto de interrogação no fim. Talvez por isso, mas não só por isso, Lost também tenha funcionado na TV aberta.

E aí eu fico imaginando como seriam as "enciclopédias" de séries como Friends e Seinfeld – que eu adoro, veja bem. No máximo se limitariam a personagens, algumas referências do universo pop, talvez algumas locações. Duvido que alguma delas tivesse o verbete "taoísmo".

Por falar em verbetes, lembrei-me que um grande número deles terminava com a referência "Ver: Dharma". E nós nos esquecemos de colocar exatamente um verbete na enciclopédia… Adivinha qual? Por outro lado, no universo de Lost a falta de informação faz tanto sentido que, olha só, ninguém reclamou.


  • Clique aqui para ler no Trabalho Sujo os textos de Lúcio Ribeiro, Ana Bean e mais um monte de gente legal.
  • Nenhum comentário: