terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Beatles tentam fugir da lei lançando coletânea de raridades no iTunes



Até o momento de publicação deste post, continuava lá na iTunes Store brasileira o álbum Bootleg Recordings 1963, dos Beatles. Ao estilo da série Anthology, é um volume que junta outtakes, demos e gravações ao vivo na BBC. Mas ao contrário da Anthology, tem uma função meramente técnica: garantir que esse material inédito não caia em domínio público na Europa. Bob Dylan já tinha feito o mesmo com The 50th Anniversary Collection, que teve 100 cópias lançadas.

Não vou me aprofundar nos detalhes de tal lei porque é um assunto chato demais. Basicamente ela diz que material inédito gravado há 50 anos - como esses registros do fab four - viram domínio público. Ela tem outras ramificações também, que até já colocaram o primeiro compacto dos Beatles, Love Me Do / P.S. I Love You, em domínio público. E tudo está sendo amplamente debatido na Inglaterra.

Voltando ao álbum do iTunes, é um projeto que só interessa aos fãs mais radicais. E, mesmo assim, essa facção já conhece tudo que foi lançado ali. Só que segundo testes de conhecedores, a qualidade dessas 59 faixas colocadas agora no mercado digital é bem superior.

Além disso, é a primeira vez que algumas dessas composições recebem lançamento comercial e oficial. As demos de "Bad to Me" (composição de Lennon e McCartney só lançada por Billy J. Kramer, em 1963) e "I'm in Love" (popularizada pelo The Fourmost, em 1963) são os grandes diamantes de Bootleg Recordings 1963.



"Bad to Me" foi registrada pelos Beatles entre maio e junho de 1963 em um acetato, o único registro existente dessa versão. A faixa havia sido encomendada pelo empresário Brian Epstein especialmente para Kramer. O áudio do lançamento é rudimentar, não conseguiu fugir dos riscos do acetato, mas é superior ao que circulava em discos piratas (ouça acima).

E como ela circulava por aí? Fácil: o disco único foi herdado pelo assistente de Epstein, Alistair Taylor, e foi leiloado na Sotheby's em 22 de dezembro de 1981. Por 308 libras. Não, você não leu errado: cerca de R$ 1.160.



Com John Lennon ao piano na demo, cantando uma letra incompleta, "I'm in Love" tem uma melodia que não faz feio perto de clássicos dos Beatles. Os especialistas acham que ela vem de uma fita caseira gravada em 1963, mas há quem defenda que ela foi gravada já nos anos 70. O lançamento atual parece resolver esse detalhe. 

Nenhum comentário: