quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Veja vídeos do show de lançamento do disco do Boss in Drama



O Boss in Drama lançou ontem, no Sesc Pompéia (dentro do projeto Prata da Casa), em São Paulo, o disco Pure Gold (pode anotar aí pra lista de melhores do ano). Acima você vê o vídeo de "Disco Karma", a minha preferida do álbum. Abaixo, "Let Me Be", com uma participação rápida da Laura Taylor, do Bonde do Rolê.

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Raconteurs grava show do Ryman, em Nashville, para lançamento futuro



Quem foi ao histórico Ryman Auditorium (o berço do bluegrass, a ex-sede do Grand Ole Opry, o lugar onde o Johnny conheceu a June) ver o Raconteurs, em Nashville, nesta quinta, deu de cara com um aviso de que o show estaria sendo gravado em vídeo. Ainda não se sabe o destino dessas imagens, mas parece que a apresentação do dia anterior, na Third Man Records, também foi registrada. Pode ser que vire um DVD normal ou uma edição do Vault, o clube de assinatura de raridades do selo de Jack White.

White, Brendan Benson, Jack Lawrence e Patrick Keeler voltaram a tocar em Nashville, onde moram faz algum tempo, pela primeira vez desde 2008. Os shows também marcaram a retomada das atividades do Raconteurs (apesar de ainda não haver planos para a gravação do terceiro disco).

Como em tudo o que envolve White, a fila do Ryman começou a se formar mais de duas horas antes da abertura da casa. E, já dentro do local, mais uma muvuca gigantesca para tentar comprar um dos 265 pôsteres do evento (eu consegui - e na saída um cara já ofereceu me pagar o dobro, US$ 60, por ele).

O repertório não teve novidades - foram as mesmas músicas da turnê de 2008, sem as covers. Mas o entrosamento dos músicos... Quanta diferença! Antes o Raconteurs - apesar de competente - se atrapalhava em algumas faixas (e mesmo as longas jams soavam bagunçadas). Agora está tudo redondo. Não ensaiadinho, mas bem mais natural. "Broken Boy Soldier" sozinha já valeria o preço do ingresso. Uma curiosidade: dezenas de cambistas do lado de fora tentavam comprar entradas, mas não havia ninguém vendendo.

O quarteto (reforçado pelo tecladista Dean Fertita, que também toca no Queens of the Stone Age) ainda recebeu a ajuda de um trio de metais em "Many Shades of Black" e "The Switch and the Spur" (os Blowhorns, segundo White).

Agora é só esperar pelo vídeo oficial para rever tudo.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Escute "Olé", uma música nova do Pearl Jam



Essa música nova, "Olé", que o Pearl Jam postou sem muito aviso no site oficial, é tão boa que tem cara de lado b. Sério, sem ironia - não parece o tipo de música que a banda vem fazendo nos últimos tempos. Bem boa.

quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Aí eu estava na Third Man Records e...



Primeira parada em Nashville foi a Third Man Records, loja-estúdio-escritório da gravadora de Jack White, que mora aqui na cidade. O espaço da loja é pequeno (estiloso, mas só uma salinha), e o prédio fica basicamente no meio do nada, entre galpões e fábricas.

Enquanto eu pulava entre os discos do Raconteurs e da Wanda Jackson, uma porta se abriu ao meu lado. Passou um vulto alto, de preto, com o cabelo baguçado na altura do queixo. Ele disse um "até logo" para a vendedora. Antes que a minha mente processasse a frase "é o Jack White", ele já estava do lado de fora, entrando no carro.

"Então... Ele vem mesmo aqui?", perguntei, ainda em choque, para a balconista. "Claro que vem", ela respondeu, sorrindo mas com cara de quem responde a mesma coisa dezenas de vezes por dia. "É o trabalho dele. E ele é um chefe muito legal."

Então é isso, agora sabemos duas coisas - o Jack White frequenta mesmo a Third Man Records e é um chefe muito legal. Será que tem vaga lá?

Veja o novo clipe da Banda Uó, "O Gosto Amargo do Perfume"



E aí, que tal esse vídeo de "O Gosto Amargo do Perfume", da Banda Uó? O anterior, "Shake de Amor", está concorrendo ao VMB de melhor webclipe.

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Sem alarde, primeiros vinis remasterizados dos Beatles começam a aparecer



Não houve um grande anúncio, mas a rede de lojas norte-americana Target começou a receber com exclusividade, na semana passada, compactos em vinil dos Beatles - agora na versão remasterizada, antes só disponível em CD e download.

Inicialmente são quatro disquinhos de 7 polegadas, vendidos a US$ 19,90 e acompanhados de uma camiseta (só existem dois tamanhos, S-M e L-XL): "Let it Be" (com "You Know my Name [Look up the Number]"), "Help" (com "I'm Down"), "Hello Goodbye" (com "I Am the Walrus") e "Can't Buy Me Love" (com "You Can't Do That").

Agora resta saber quando - e se - os outros chegam ao mercado, além dos álbuns.

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

Pearl Jam relembra 20 anos de carreira com convidados e mais de 5 horas de shows nos EUA



É difícil espremer 20 anos em 5h30, mas o Pearl Jam soube exatamente o que fazer nos dois dias de PJ 20, o festival comemorativo de duas décadas que o grupo realizou em Alpine Valley, Wisconsin, nos EUA, no fim de semana passado.

Durante o dia, a brincadeira era acompanhar os outros shows do evento para ver se algum integrante do PJ dava as caras. E deram - Eddie Vedder cantou com Glen Hansard, Strokes, Queens of the Stone Age e John Doe. E esses artistas retribuíram a gentileza participando da apresentação do Pearl Jam. Então rolaram momentos como Vedder e Hansard fazendo um dueto em "Falling Slowly", da trilha de Once; Strokes e Vedder apavorando com "Juicebox" (quando Julian Casablancas canta a frase "you’re so cold”, parece que ele é um reclamão; quando Vedder canta, dá pra sentir o frio); John Doe zoando a bermuda de Vedder antes de cantar “Golden State” com ele; o Queens ganhando (mais) uma voz de ouro em “Little Sister”; e assim a coisa seguiu.

E isso tudo foi antes do Pearl Jam subir ao palco. Na primeira noite, qualquer fã eventual que tivesse caído ali por acidente certamente não teria entendido nada: 28 faixas que foram do obscuro ao bizarro. O andamento estranho de “Push Me Pull Me”, o resgate de “In My Tree” e nada de hits. Ok, “Betterman” foi cantada pelas dezenas de milhares de pessoas – mas o que não foi? Até covers como “Setting Forth” (da carreira solo de Vedder), “Love, Reign O’er Me” (Who) pareciam ser superhits para a platéia do PJ 20.

Mas havia mais uma surpresa, um dos segredos mais mal guardados do ano: Chris Cornell estava no local para um reunião do lendário supergrupo Temple of the Dog. Anunciado, o vocalista do Soundgarden deu uma rasteira em todo mundo ao cantar uma música do Mother Love Bone, “Stardog Champion”, dando ainda mais sentido ao que estava por vir (o Temple of the Dog foi criado para homengear Andrew Wood, vocalista do MLB, que morreu de overdose). Com o jogo ganho de virada, o grupo ainda mandou “Reach Down”, “Say Hello 2 Heaven” e “Hunger Strike” (que começou com Cornell e Vedder cantando de frente um para o outro, olhos nos olhos). Sim: não só o Temple se reuniu, mas tocou 4 músicas. Isso na primeira noite. No dia seguinte vieram reprises de “Hunger Strike” e “Reach Down” (“Eu errei a letra ontem”, explicou o cantor convidado) mais “Call Me a Dog” (“Faz uns 20 anos que não tocamos esta, não?”, questionou Cornell) e “All Night Thing”. Somadas, as duas apresentações só não superam – em quantidade de faixas executadas – o único show oficial do Temple of the Dog, em 1990.



Na segunda noite a banda já não sentia o peso da ansiedade. Vieram mais surpresas (“Pilate”, “No Way”) e mais participações (Hansard em “Smile”, Liam Finn em “Habit”, John Doe em “New World”, Dhani Harrison em “Elderly Woman Behind the Counter in a Small Town”, Casablancas [que havia estragado “Not For You” na noite anterior, com versos sobre fazer uma jam com a banda preferida dele] em “Red Mosquito”), uma música nova que Vedder disse ter escrito naquele dia (acústica, falando sobre a passagem do tempo e a alegria de ter chegado àquele momento)... E hits. “Alive”, “Black”, “Even Flow”, “Jeremy”, para fechar com a dobradinha “Keep on Rockin’ in the Free World” (Neil Young) e “Yellow Ledbetter”.

Com shows de 2h30 (no primeiro dia) e 3h (no segundo), o Pearl Jam relembrou o passado e recarregou a bateria para o futuro. Que venham os proximos 20 anos. (e os shows do Brasil, em novembro!)

***

Outros momentos marcantes: Josh Homme cantando "In the Moonlight" da forma como Matt Cameron havia feito na demo da faixa; Julian Casablancas tentando fazer piada - "Ele é muito melhor que o Andrew Wood...", enquanto Vedder saía do palco; Dhani Harrison puxando "State of Love and Trust" como se fosse o maior clássico da história do rock; o Pearl Jam errando "Given to Fly", mas não parando para começar de novo; o longo debate sobre tocar ou não "No Way" (o autor, Stone Gossard, não queria e foi voto vencido); "Smile" com Hansard, que já cantava um trecho da faixa nos shows dele; Liam Finn cantando a parte gritada de "Habit" para poupar a voz de Vedder.

Para bons vídeos do PJ 20, clique neste canal do YouTube.

***

O repertório de cada dia:

  • 3 de setembro

    Release
    Arms Aloft (Joe Strummer & The Mescaleros)
    Do The Evolution
    Got Some
    In My Tree
    Faithfull
    Who You Are (com Liam Finn, John Doe e Dan Peters)
    Push Me, Pull Me
    Setting Forth (da carreira solo de Eddie Vedder)
    Not For You (com Julian Casablancas)
    In the Moonlight (com Josh Homme)
    Deep
    Help Help
    Breath
    Education (com Liam Finn)
    Once
    State Of Love And Trust (com Dhani Harrison)
    Better Man
    Wasted Reprise / Life Wasted

    -BIS
    Rearviewmirror

    -Temple of the Dog
    Stardog Champion (cover do Mother Love Bone)
    Say Hello 2 Heaven
    Reach Down
    Hunger Strike

    Love, Reign O'er Me (cover do The Who)
    Porch

    -BIS 2
    Kick Out the Jams (cover do MC5, com Mark Arm e Steve Turner)

  • 4 de setembro

    Wash
    The Fixer
    Severed Hand
    All Night
    Given To Fly
    Pilate
    Love Boat Captain
    Habit (com Liam Finn)
    Even Flow
    Daughter/It's OK
    Leatherman
    Red Mosquito (com Julian Casablancas)
    Satan's Bed
    Elderly Woman Behind the Counter in a Small Town (com Dhani Harrison)
    Unthought Known
    New World (cover do X, com John Doe)
    Black
    Jeremy

    -BIS
    Faixa nova (Eddie Vedder sozinho)
    Just Breathe
    Nothingman
    No Way
    Public Image (cover do Public Image Ltd.)
    Smile (with Glen Hansard)
    Spin The Black Circle

    -BIS 2
    - Temple of the Dog
    Hunger Strike
    Call Me A Dog
    All Night Thing
    Reach Down

    Sonic Reducer (cover do Dead Boys, com Mark Arm e Steve Turner)

    -BIS 3
    Alive
    Rockin' in the Free World (cover de Neil Young, com todos os convidados do PJ 20)
    Yellow Ledbetter / Star-Spangled Banner