quarta-feira, 11 de março de 2009

Keane se apresenta para fãs dedicados em São Paulo

Keane em SP

Com um Credicard Hall cheio, nem parecia que o Keane é uma dessas bandas que a crítica não leva muito a sério. Aliás, é até difícil definir quem são os paulistanos que saíram de casa em uma terça-feira para ver o trio (quarteto, ao vivo, com Jesse Quin tocando baixo e outros instrumentos) britânico: os tiozões com camisetas dos Beatles estavam lá, lado a lado com uma molecada comum. Não dava para identificar nenhuma tribo específica (fora os gaúchos do Fresno – que abriram a noite –, que ainda insistem naquele visual "emo 2006").

A unidade da platéia só foi vista quando o Keane começou a cantar "The Lovers Are Losing", às 22h30, na abertura da apresentação: aí todo mundo gritou junto, cantou junto, pulou junto. Foi um começo certeiro, que ainda teve "Everybody’s Changing" quase sem pausa para respirar. Tom Chaplin, o vocalista, estava tão feliz que nem se deu conta do calor brasileiro – ficou o tempo todo com uma camisa rosa de mangas compridas, mais uma jaqueta por cima. Cumpriu o protocolo de tentar falar português, pediu para todo mundo esquecer os problemas e se divertir e ainda lançou um: "o Brasil é o coração do mundo!"

O palco da turnê anterior, que também passou por aqui, era mais interessante. Tinha uma plataforma que ia ao meio da pista, de onde os músicos faziam um pequeno set acústico. Desta vez não havia produção alguma, só banners de fundo de palco com temas relacionados ao disco Perfect Symmetry, lançado em 2008.

Mesmo assim a banda se espremeu em um canto para tocar versões mais despojadas de "Playing Along" (esta com Chaplin sozinho ao violão), "Try Again" e "Sunshine". Foi bonito, mas tedioso para quem assistia. A volta à eletricidade também sofreu com uma sequência fraca de músicas - "You Haven’t Told Me Anything", "Leaving So Soon?" e "You Don’t See Me" – mas voltou a pegar fogo com "Perfect Symmetry", colada em "Somewhere Only We Know" e "Crystal Ball".

O bis foi quase uma apelação. O Keane voltou ao palco com uma versão competentíssima e divertidíssima de "Under Pressure" (o dueto entre Freddy Mercury e David Bowie, acompanhados pelo Queen). Para encerrar, mais dois sucessos: "Is It Any Wonder?", com seu piano distorcido emulando uma guitarra, e "Bedshapped". A banda encerrou dizendo que a segunda passagem pelo Brasil foi ainda mais especial do que a primeira e prometeu voltar muitas outras vezes. Pela reação do público, sempre vai ter gente querendo ver e ouvir.

*Vídeos da apresentação paulistana:


Keane - "Everybody's Changing" @ São Paulo 2009 from Urbanaque on Vimeo.


Keane - "Under Pressure" (Queen Cover) @ São Paulo 2009 from Urbanaque on Vimeo.


Keane - "Is It Any Wonder?" @ São Paulo 2009 from Urbanaque on Vimeo.

[Vídeos e foto foram cortesia de Bruno Dias, do Urbanaque]

Nenhum comentário: