quinta-feira, 1 de maio de 2008

Romero diz: blogueiros são o futuro da verdade


Qualquer fã do diretor George A. Romero sabe que seus filmes de zumbi têm um sub-texto. O primeiro, A Noite dos Mortos-Vivos (1968) é uma metáfora para o preconceito racial nos EUA e, claro, o medo gerado pela Guerra Fria.

Em 1978 Romero retomou seus zumbis em O Despertar dos Mortos - no qual os mortos ficam vagando por um shopping, empurrando carrinhos de compras, sem rumo. O consumismo vencia mesmo no pós-vida.

Dia dos Mortos (1985) é pura guerra. Nele, o diretor faz uma sátira ao exército e a criação de soldados com mentes padronizadas - como os próprios zumbis de seus filmes.

Com Terra dos Mortos (2005) o assunto foi atualizado. Agora o maior medo é o do terrorismo. Os ricos se isolam e os pobres ficam à margem da sociedade... Até que tudo começa a dar errado.

Qual seria, então, o assunto escondido em Diary of the Dead (2007 - ainda inédito por aqui)? Vou deixar a personagem central explicar, em um trecho do filme:



A tradução livre é assim:

"A grande mídia havia desaparecido, com toda a sua força e dinheiro. Agora éramos só nós: blogueiros, hackers, garotos. Quanto mais vozes existem, mais distorção existe. Fica muito difícil encontrar a verdade. No final é só barulho."


Então é isso: Romero usa seus zumbis e devastação da sociedade para falar sobre a dificuldade de se encontrar a verdade no mundo corporativo da notícia - e também sobre como não é fácil filtrar a quantidade sem fim de informação que temos disponível em nossos tempos.

Mas calma! Se tudo isso te deu dor de cabeça, pode relaxar. Ignora o contexto e aproveita o filme, que é um terror bem razoável.

4 comentários:

filipe disse...

esse filme é horrivel,assisti quarta-feira no Odeon no rio...

Paulo Terron disse...

Num é horrível não! Mas também não é bom. Como eu disse, é OK. O problema é que o conceito dele já é manjado, esse das pessoas fazendo um filme indie.

M.Klein disse...

Ele faz a crítica social dele como de praxe, e o filme é bom nesse sentido. Mas não é bem um filme de terror ou no mesmo estilo dos anteriores dele,é naquela estética do REC e do Cloverfield ( esses sim horríveis) onde as pessoas filmam no tipo "faça- você-mesmo". Mas o zumbi do poster com a câmera na mão e o boné RIP arrasa e diz ao que o filme veio. Faltou um zumbi com um laptop e outro com celular.Desculpa a logorréia, mas não pude deixar de tomar partido do Romero.Como se ele precisasse...

filipe disse...

é verdade,peguei pesado,..,achei interessante a metalinguagem e tals...,e tem umas partes ala Bruxa de Blair,rs

flickr.com/araujof/