segunda-feira, 10 de março de 2008

Post 1000 do With Lasers: Amor, louco amor


Burt Pagach e Linda Riss se conheceram nos anos 50 e logo ele ficou de quatro por ela. Pagach era um advogado bem relacionado, cheio da grana, dono de uma casa noturna e dono de um avião particular. Ele também era – e Linda só descobriu mais tarde – casado. Linda era uma jovem impressionável, que achava incrível circular entre gente como o cantor Johnny Mathis.

A vida de casado do playboy também não era fácil. Ele a esposa tiveram uma filha deficiente mental, que não conseguia fazer nada sozinha. No trabalho ele também começou a ter problemas – Burt ficou deprimido. Mas continuou se relacionando com Linda e torrando dinheiro em diamantes, casas etc.

Depois de desentendimentos relacionados a (falta de) sexo, Linda e Burt se separaram. História clássica de amor: logo reataram o caso – e se separaram novamente. Burt Pagach pirou mais ainda: foi parar no hospital e, quando saiu, passou a perseguir Linda de forma obsessiva.

Em 1959, a moça já estava em outra. Feliz, ficou noiva de outro. Puto, Burt contratou três pessoas para jogar soda cáustica nos olhos de Linda, que ficou cega.
Toda essa história de "amor" está documentada em Crazy Love, filme de 2007 recentemente lançado em DVD nos EUA. Seria só mais uma notícia triste se tudo tivesse acabado nesse ponto.



Os jornais piraram com o assunto. Um judeu rico havia contratado rapazes negros e pobres para cometer o crime – contra uma branca jovem e bonita. Burt foi condenado a 14 anos de cadeia. E continuou tentando conquistar Linda, com cartas. Em 1974 ele foi solto e – se é que dá para acreditar – o casal voltou a ficar junto.

Quanta loucura para uma relação, né?

Aí, em 1997, Burt foi acusado de perseguir uma outra amante... E Linda o defendeu no tribunal! Inocentado de boa parte das acusações (ele ainda teve de passar uns dias atrás das grades), ele continua com a mulher até hoje.

Amor? Doença? Difícil saber. Só nos resta ver Crazy Love e tentar entender como funciona esse sentimento bizarro que domina a mente humana. "Do meu jeito, eu o amo - só acho difícil usar essa palavra", explica Linda - cega, deformada e traída. OK, talvez seja só uma questão de definição então...

Nenhum comentário: