quarta-feira, 13 de fevereiro de 2008

With Lasers 1 Ano: In Sly we trust!


Hoje vi Rambo 4, mas até o momento em que o filme começou a rodar no projetor pensei em desistir e voltar pra casa. Não que temesse qualquer coisa do filme (embora seja dos mais violentos que já vi), mas estava me achando meio ridículo por querer ver o filme assim com tanta pressa (antes mesmo de entrar em cartaz).

No último Rocky senti coisa parecida, mas, graças ao Rocky 1, não tenho vergonha de falar que sou fã da série, do personagem, dos coadjuvantes...

Mas e Rambo? Não dá para dizer que o argumento do primeiro filme é ruim, mas definitivamente também não dá para ver grandes qualidades em filmes que têm mais mortes do que personagens (aliás, o número de mortes diz bastante sobre a qualidade dos filmes. Rambo 1: 1 morte; Rambo 2: 69 mortes; Rambo 3: 132 mortes...Rambo 4: 236 mortes). E então por que a ansiedade? E por que ver o novo filme do Stallone sabendo que boa coisa certamente não é?

Porque Stallone é um personagem do cacete, essa é a verdade (a minha, pelo menos)! E tanto Rocky quanto Rambo são espécies de alteregos dele. A vontade de fazer novas seqüências para os dois filmes aos 60 anos é igualzinha à que motivou Rocky a encarar Mason Dixon e Rambo a tirar o arco e flecha do baú e voltar à guerra. E digo mais: não há quem não se reconheça no arquétipo do cara injustiçado pela vida, que aceita a sua condição de desafortunado, mas, de repente, decide se dar uma chance de fazer algo além de morrer sem lutar. Rocky, Rambo e Stallone são assim e nós rimos da cara deles. Mas, no final das contas, morremos de inveja dessa falta de vergonha de meter as caras e tentar fazer algo grande. E, de alguma forma, nos realizamos um pouquinho através deles.

Por isso, não posso negar meu fanatismo pelo velho Sly.
(Seria essa a razão da minha demissão do With Lasers? - nota do editor: sim, entre outras coisas)

Se você ainda não se convenceu, veja essa entrevista sobre o processo de criação de Rocky 1:


[Por Artur Louback, ex-sócio do With Lasers que desistiu do blog para criar cabras no Tibete. Ele disse que só toparia escrever aqui, nas comemorações de 1 ano do blog, se fosse "sobre algo bem de macho, sabe?" Não, não sei.]

Um comentário:

artur louback disse...

as cabras do Tibete são bem mais interessantes do que certas pessoas que escrevem neste blog...não vou citar nomes...